Blog

Chernobyl – O Maior Acidente Nuclear da História

O desastre de Chernobyl foi um acidente que ocorreu em 1986 na central nuclear de Chernobyl, na União Soviética, sendo o pior desastre na história da geração de energia nuclear. A usina ficava no assentamento de Pripyat, a 16 km a noroeste da cidade de Chernobyl. A estação consistia em quatro reatores, cada um capaz de produzir 1000 megawatts de energia elétrica.

O acidente em si foi uma consequência direta da falta de qualquer cultura de segurança.

Usina de Chernobyl
Usina antes do acidente de Chernobyl

O Acidente

O acidente ocorreu entre 25 a 26 de abril de 1986. Técnicos da Unidade 4 do reator tentaram um experimento mal planejado. Consequentemente, eles desligaram o sistema de regulagem de potência do reator e os de segurança de emergência e retiraram também a maioria das hastes de controle de seu núcleo, permitindo que o reator continuasse funcionando com 7% de energia.

Esses erros foram agravados e às 01:23 de 26 de abril uma reação em cadeia no núcleo saiu do controle. Várias explosões provocaram uma grande bola de fogo que explodiu a pesada tampa de aço e concreto do reator. O incêndio que se seguiu no núcleo do reator liberou grandes quantidades de material radioativo, os quais foram transportados pelas correntes de ar. Um colapso parcial do núcleo também ocorreu.

Os bombeiros tentaram apagar uma série de explosões. Eventualmente, helicópteros jogaram areia e outros materiais em uma tentativa de reprimir os incêndios e conter a contaminação.

Usina Chernobyl
Usina depois do acidente de Chernobyl

Evacuação e Alarme Internacional sobre Chernobyl

Em 27 de abril, os 30 mil habitantes de Pripyat começaram a ser evacuados. Um encobrimento foi tentado, mas em 28 de abril estações de monitoramento suecas relataram níveis anormalmente altos de radioatividade transportada pelo vento e pressionaram por uma explicação.

O governo soviético admitiu que houve um acidente em Chernobyl, desencadeando assim um clamor internacional sobre os perigos impostos pelas emissões radioativas.

Em 4 de maio, tanto o calor quanto a radioatividade vazando do núcleo do reator estavam sendo contidos, embora com grande risco para os trabalhadores. Restos radioativos foram enterrados em cerca de 800 locais temporários. No final do ano, o núcleo do reator altamente radioativo foi encerrado em um sarcófago de concreto e aço.

Parque de diversões de chernobyl
Parque de diversões de Chernobyl hoje em dia

Consequências

Algumas fontes afirmam que duas pessoas foram mortas nas explosões iniciais, embora outras relatam 50. Milhões de hectares de florestas foram contaminados e, embora milhares de pessoas tenham sido evacuadas, centenas permaneceram em áreas contaminadas. Como resultado, milhares de doenças induzidas por radiação e mortes por câncer eram esperadas a longo prazo. Além disso, nos anos subsequentes muitos animais nasceram deformados.

O Comitê Científico das Nações Unidas sobre os Efeitos da Radiação Atômica relatou que mais de 6 mil crianças e adolescentes desenvolveram câncer de tireóide após serem expostos à radiação do incidente, embora alguns especialistas tenham contestado essa afirmação.

Entre 50 e 185 milhões de toneladas de elementos químicos escaparam para a atmosfera (várias vezes mais radioatividade do que as bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki). Essa radioatividade toda foi espalhada pelo vento sobre diversos países.

O ocorrido provocou críticas sobre procedimentos inseguros e falhas de projeto em reatores soviéticos e aumentou a resistência à construção de mais fábricas desse tipo.

O desastre teve ainda outras consequências como o custo econômico e político que acelerou o fim da URSS e alimentou um movimento global antinuclear. Estima-se que o desastre tenha custado cerca de US$ 235 bilhões em danos. O que é agora a Bielorrússia, viu 23% do seu território contaminado pelo acidente, perdendo 1/5 da sua terra agrícola.

Raio de Chernobyl
Raio do acidente de Chernobyl

Novos Tempos em Chernobyl

A unidade 2 de Chernobyl foi desativada após um incêndio em 1991. Já a Unidade 1 permaneceu em operação até 1996. A Unidade 3, continuou a funcionar até os anos 2000, quando a central nuclear foi oficialmente desativada. Após o desastre, foi criada uma zona de exclusão com um raio de 30 quilômetros, centrados na usina nuclear.

A zona de exclusão cobria uma área de cerca de 2634 quilômetros quadrados ao redor da usina. No entanto, foi posteriormente expandido para 4143 km² para incluir áreas fortemente irradiadas fora da zona inicial.

Mesmo que nenhuma pessoa viva na zona de exclusão, cientistas, catadores e outros, podem solicitar permissões que lhes permitam entrar por um período limitado de tempo no local.

Parque de diversão chernobyl
Foto macarbra do parque de diversão de hoje em dia
Um lugar abandonado
Um lugar abandonado

Uma Nova Esperança

A recuperação do local é evidente no mundo natural. Embora animais e plantas dentro da zona de exclusão ainda mostrem alguns efeitos da radiação, a vida está encontrando uma maneira de se adaptar. Por exemplo, as rãs são mais escuras que o normal, o que pode proporcionar uma proteção extra contra a radiação.

De fato, partes da zona de exclusão se tornaram um paraíso para a biodiversidade. Pesquisadores viram ursos marrons, linces, bisões europeus, javalis em números crescentes. Um efeito colateral inesperado de evacuar as pessoas da área foi criar um santuário de vida selvagem, onde as espécies podem viver intocadas pela atividade humana.

Natureza em Chernobyl
Natureza nos dias de hoje na região

Chernobyl é sem dúvida um lugar que não se deve visitar. Esta ilha aqui no Brasil também é muito perigoso e deve ser evitado a qualquer custo!

Fontes:

National Geographic

Encyclopædia Britannica

We Forum ORG

World Nuclear ORG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X